desafio, educação, Matutaí, por Vivian Wrona Vainzof

Gosto de manga no pé

Meu relógio de pulso quebrou e agora eu olho de tempo em tempo o braço vazio, presa à mania de ter a hora na mão. Três pessoas já me sugeriram comprar um relógio que conversa com o celular. Achei a ideia boa! Quem sabe os dois se dão bem? Pelo menos o celular me deixaria mais à vontade para conversar com as pessoas… Mania deselegante de alguns eletrônicos dessa geração, de interromper a gente enquanto fazemos outra coisa.

Meu primeiro relógio de pulso eu ganhei da minha mãe e ficamos horas no sofá aprendendo a ler os ponteiros. Minha irmã tinha ganhado antes, presente da vovó, com uma pulseira laranja e o desenho do tio Patinhas no mostrador. Desde lá eu fiquei esperando a minha vez. Agora pensei que chegava a minha vez de novo, mas era eu quem iria ensinar. Só que não foi bem assim… Os relógios de ponteiro nunca foram apreciados pela geração Z na minha casa. Legal hoje é desfilar com relógio digital que conversa com o celular, presente do avô. Só espero que continuem a conversar comigo!

Os pais esperam repetir com os filhos suas memorias mais afetivas. Se foi bom para mim, vai ser especial para eles também. E assim, já levei a família para conhecer a minha escola primária, a antiga casa da minha avó, uma viagem para a represa. Reeditar minhas lembranças sempre me tira o fôlego outra vez. Alguns dos meus livros preferidos já estão esgotados nas livrarias e lamento tanto que eles não poderão ler. Ou encontro umas versões bem antigas, de capa rasgada, papel amarelo, só falta os ponteiros para me mostrar que está na hora de eu virar a página. A experiencia original é autentica, só ela tem gosto de manga do pé.

O pai do chines Alex Shih deve ter imaginado isso também, quando decidiu não deixar a sua herança para os filhos. Dono da maior corretora de imóveis da China, ele preferiu doar seus milhões para caridade, como noticiou a Bloomberg, na semana passada. O filho já ocupa a vice-presidência da empresa, mas o pai oferece a ele o mesmo salário pago a outros funcionários. “Eles valorizarão mais se ganharem as coisas passo a passo”, acredita.

Geração_X,_Y,_Z

Talvez Alex não veja a hora de assumir o cargo do pai. Talvez ele nunca chegue ao capitulo da casa própria, ou das mansões que ele vende. Mas ele vai ter a chance de criar as suas próprias memórias e sentir o gosto de manga escorrendo no queixo. Alguma hora ele vai sentir que faltou fôlego. Acho que ele ainda vai agradecer ao pai pela autenticidade da sua vida. Que seja numa boa hora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s